Primeiros dias do curso de inglês em Malta

No meu segundo dia em Malta aproveitei para dormir muito. Afinal, precisava estar descansada para o teste de inglês na segunda de manhã. E assim foi. Só saí para dar uma voltinha com as minhas amigas brasileiras no final da tarde pela minha cidade Swieqi. Visitamos outros brasileiros, fomos ao boliche Eden Super Bowl com diversos gringos da escola e por fim um rápido tour pela orla da praia para conhecer o luxuoso hotel e cassino The Westin Dragonara Resort e o bairro das baladas Paceville.

No dia seguinte às 9h em ponto estava na minha escola, Clubclass, para fazer o teste. E os meus novos amigos estavam certos, de 6 níveis, entrei no terceiro, o Preintermediate. Nada mal, né?! =) Antes de Malta, eu havia estudado apenas no colégio e 3 anos antes havia feito 1 ano numa escola chamada Lexical, da Rede Wise up (que me ajudou muito por sinal).

Após o teste, me apresentaram à minha professora Marice. Uma professora maltesa, mas que felizmente não tinha um sotaque muito forte. Eu não era a única novata na minha sala, havia mais alguns novos estudantes. Primeiro o pessoal da sala tentou adivinhar de qual nacionalidade eramos. Foi bem engraçado. Como não sou o estereótipo da brasileira nem da alemã que indicava meu sobrenome, o pessoal chutou e feio. Espanhola, francesa, italiana… Foi engraçadíssimo! Hahahaha Mas logo veio um momento nada divertido, tivemos que nos apresentar ao restante da sala. Também tive que fazer isso na sala do teste. E detalhe: morro de vergonha de me apresentar em português, então você pode imaginar como fiquei vermelha ao ter que fazê-lo em inglês, DUAS vezes. hehehehe

Os primeiros dias, ou melhor, a primeira semana é bastante confusa. Eu entendia o que a professora dizia, mas tinha dificuldade de entender o que os meus amigos diziam, principalmente os coreanos. Contar histórias era um sufoco também! Faltava vocabulário, às vezes palavras básicas, às vezes rebuscadas. Mas eu tentava mesmo assim e aos poucos você relembra umas, aprende outras e passa a se acostumar com os sotaques dos seus amigos, o que facilita compreendê-los. Isso foi uma das coisas que achei ótimo em estudar em Malta, o contato com pessoas de diversos países diferentes, te ajuda muito a compreender diversas nacionalidades falando o inglês.

vida em Malta

Por que diabos Malta?

Essa é segunda pergunta que todo mundo me faz. Bom, estudar inglês nos EUA nunca foi meu sonho. Europa, sim. Mas Inglaterra apesar de ter muitos shows e festivais de indie rock que eu amo, também não era a escolha que eu mais queria, afinal eu amo o sol, calor e queria fugir de uma cidade como São Paulo. Irlanda chuvosa demais. Escócia nem passou pela minha cabeça. Para aprender inglês e curtir uma praia me restava Austrália, então, Europa estava fora de cogitação, certo? Errado! Foi aí que acessei um site dessas agências de intercâmbio e dei de cara com uma foto de um lugar lindo, a chamada para o curso dizia algo assim: “Aprenda inglês na Europa num lugar que tem 300 dias de sol”. Eu pensei, nossa que lugar é esse, entrei no link e me apaixonei.

Não era pra menos, né?! Uma ilha paradisíaca no Mediterrâneo, que pertence a União Européia e ainda tem 7 mil anos de história… Foi então que decidi: “É pra lá que eu vou!”

Mellieha Bay
Mellieha Bay